Benefícios da Soja

soja nutricao joyce

A soja é um grão muito consumido pela população asiática e por vegetarianos. Seu consumo aumenta cada vez mais por ela ser uma fonte de proteína de alta qualidade e baixa em gordura saturada. Na última década o seu consumo aumentou ainda mais devido aos seus benefícios para a saúde oferecidos pelos seus compostos bioativos (isoflavonas, saponinas e lunasina). As isoflavonas são fitoquímicos com ação antifúngica, antibiótica e antioxidante melhorando a sobrevivência da soja. Pelos homens ela é utilizada por ser um fitoestrógeno agindo como um anti-estrogênio.

Alguns pesquisadores acreditam que por conta dessa função ela ajuda na prevenção de cânceres hormônio dependentes como o câncer de mama e de próstata e, em mulheres pós-menopausa. Além disso, ela também é utilizada como anticolesterolêmica e como preventiva de doenças cardiovasculares. Um de seus componentes, a genisteína, impede a oxidação do LDL e a agregação plaquetária. Segundo os estudos, para a obtenção dos benefícios da soja é necessário consumo de 25g ou mais de proteína de soja por dia.

A soja contém glicina e arginina as quais auxiliam na redução da insulina sérica e consequentemente na melhora dos quadros de diabetes. Por ser de origem vegetal talvez possa diminuir a hiperfiltração renal, proteinúria e carga renal ácida reduzindo assim o risco de doenças renais em pacientes com diabetes tipo 2. Após o exercício físico há um aumento no estresse oxidativo e a proteína da soja ajuda no processo de recuperação muscular, reduzindo a dor e a inflamação.

O câncer de mama é o câncer mais diagnosticado e a principal causa de morte em mulheres no mundo todo, abrangendo 23% dos casos novos de câncer e 14% do total de mortes por câncer em 2008. Aproximadamente metade dos casos de câncer de mama e 60% das mortes acontecem em países desenvolvidos. Em se tratando de dieta, apenas o álcool foi reconhecido por estar associado com uma maior risco de câncer de mama. Nos últimos anos alguns alimentos mostraram causar benefícios ou malefícios nessa doença, incluindo na lista as carnes vermelhas e processadas, carboidratos de alto índice glicêmico, gorduras, fibras e a soja.

Nas últimas décadas a soja tem sido muito estudada por conter fitoestrógenos os quais podem prevenir certas doenças crônicas, como por exemplo, o câncer de mama e de próstata. Um dos mecanismos pelos quais esses ativos atuariam seria via antioxidantes, diminuindo a peroxidação lipídica e também o dano oxidativo do DNA, ação similar ao 17beta-estradiol humano. Parece também que eles atuem inibindo a proliferação das células carcinogênicas e induzindo a sua morte. Além disso, ela inibe a angiogênese, ou seja, a formação de novos vasos sanguíneos necessário para a replicação do câncer.

É importante ressaltar que a maioria dos estudos que tiveram essa relação positiva foram realizados na Ásia, sendo que os asiáticos consomem uma maior quantidade de alimentos a base de soja. Portanto, mais estudos devem ser feitos com tipos diferentes de alimentos a base de soja, quantidades variadas e em países ocidentais, para assim atestar com certeza os efeitos da soja na prevenção do câncer de mama.

Soja e menopausa

Os primeiros anos da menopausa geralmente vêm acompanhados de uma rápida perda de massa óssea, calorões, secura vaginal, alterações de humor e do sono. A terapia a base de estrogênios com ou sem progesterona amenizam esses sintomas, mas muitas vezes apresentam alguns efeitos colaterais e por isso muitas mulheres não estão optando por esse tratamento e procurando outras alternativas. A soja vem sendo utilizada como alternativa por promover efeitos semelhantes e sem os riscos. Os fitoestrógenos da soja inibem o receptor de estrogênio modulando o mesmo.

As mulheres que optam pela reposição hormonal, segundo as pesquisas, tem mais chance de desenvolver doenças cardiovasculares em mulheres na menopausa mesmo a terapia hormonal tendo mostrado que há uma melhora da vasodilatação endotelial. As duas isoflavonas presentes na soja, genisteína e daidzeína, tem estrutura similar ao estrogênio e apresentam propriedades anticancerígenas.

Após a ingestão as isoflavonas são hidrolisadas por enzimas intestinais e metabolizadas pelas bactérias em equóis. A formação de equóis irá depender de uma microbiota intestinal adequada e, portanto a dose ideal de isoflavonas para cada pessoa pode variar. As proteínas da soja também têm demonstrado diminuir os níveis de colesterol e triglicérides auxiliando na prevenção de doenças cardiovasculares, como por exemplo, a aterosclerose.

soja nutricao joyce2

Soja e exercícios

A soja contém uma fração protéica homogênea digerida de forma similar a caseína e mais rápida do que a proteína do leite. A proteína da soja e suas frações protéicas são eficazes na reparação do músculo, na promoção da síntese protéica e na iniciação da translação depois do exercício. Ela previne a degradação muscular pós exercício, portanto, ela afeta o turnover protéico no músculo esquelético. Ela é bem conhecida por sua ação anti-estrogênica, ou seja, pode prevenir os cânceres hormônio dependentes como o câncer de mama. A soja combinada com o exercício físico diminui os níveis de estradiol reduzindo o risco de surgimento do câncer de mama.

As isoflavonas presentes na soja inibem a síntese de estradiol através da inibição da enzima aromatase. Estudos demonstraram que mulheres consumindo leite de soja por um mês diminuíram em 20% os níveis de 17beta-estradiol. A soja também contém glicinina a qual segundo pesquisas, 20% dela, ajuda na prevenção da atrofia muscular já que inibe a degradação protéica.

As proteínas da soja são de alta qualidade e por isso muitas vezes são utilizadas por pessoas que não toleram a proteína do leite. Estudos vêm demonstrando os seus benefícios para a hipertrofia muscular. Pesquisas relatam que ela aumenta a massa muscular, os índices de força, a ingestão de cálcio e reduzem o cansaço após o exercício, sem causar danos aos rins ou fígado. A quantidade ideal seve ser indicada por um médico e/ou nutricionista a fim de atingir o objetivo do indivíduo.

Referências:

ABE, T. et al. Soy glicinin contains a functional inhibitory sequence against muscle-atrophy-associated ubiquitin ligase Cbl-b. International Journal of Endocrinology, 2013.

ASIF, M,; ACHARYA, M. International Journal of Nutrition, Pharmacology, Neurogical Diseases, v.3, n.1, 2013.

BEDELL, S.; NACHTIGALL, M.; NAFTOLIN, F. The pros and cons of plant estrogens for menopause. Journal of Steroid Biochemistry and Mocelular Biology, 2013.

LEVIS, S. et al. Soy isoflavones in the prevention of menopausal bone loss and menopausal symptons: a randomized, double-blind trial. Arch Intern Med, v.171, n.15, 2011.

MESSINA, M. A brief historical overview of the past two decades of soy and isoflavone research. The Journal of Nutrition, 2010.

MOUROUTI, N.; PANAGIOTAKOS, D.B. Soy food consumption and breast cancer. Maturitas, v.76, p.118-122, 2013.

ZARNESHAN, A.; SALEHZADEH, K. Effects of combined selective aerobic moderate intensity exercises and soya intake on 17beta-estradiol (biomarker of breast cancer) and obesity of obese postmenopausal women. International Journal of Biosciences. v.2, n.11, p.81-89, 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>