Detoxificação hepática

Detoxificação consiste na retirada de substâncias tóxicas do organismo que ocorre principalmente pelo intestino e fígado. Essas substâncias são conhecidas como xenobióticos e são encontradas na água, ar e alimentos. Elas são responsáveis por problemas generalizados, desde dificuldade em emagrecer, acne, até depressão e infecções.

Existem duas fases de detox. A via de desintoxicação da Fase I está envolvida com toxinas ambientais, como pesticidas, poluentes e aditivos alimentares, com drogas e álcool. Os produtos do nosso próprio metabolismo também são processados por esta via, para excreção. A Fase I produz quantidades significativas de radicais livres durante o processo de desintoxicação e, se o status antioxidante do paciente não estiver íntegro, pode ocorrer lesão tecidual.

A via de Fase II ou via de conjugação utiliza-se de substâncias ricas em grupos sulfidrila para metabolizar toxinas. Algumas destas substâncias, como cisteína, taurina e glutationa − que são formadas a partir da glicina e glutamina respectivamente, e a cisteína sob a influência de uma enzima dependente de selênio, atuam como radicais livres e quelantes de metais. Durante a conjugação das toxinas pelo organismo, essas substâncias são eliminadas, pois são excretadas com a toxina, ao passo em que os radicais livres podem ser regenerados.

Existem fitoquímicos capazes de induzir, inibir ou modular fase I e II de destoxificação, além de que, por serem reações químicas necessitam de cofatores para o corretor funcionamento. Esses por sua vez são vitaminas, minerais e principalmente aminoácidos como demonstrado no esquema abaixo:

detox

Vitamina C

Atua sinergicamente com N – Acetil cisteína.

Vitamina E

Atua sinergicamente com a vitamina C.

Vitaminas do complexo B

Essenciais principalmente para os processos da fase 1.

Coenzima Q10

Antioxidante natural do organismo

Molibidenio

É co-fator de varias enzimas necessárias para o processo de detoxificação.

Manganês

É co-fator da SOD (superoxido dismutase).

Metionina

Promove metilação primária, isto é, doa radicais metila – CH3 e auxilia eliminação radicais livres.

N – Acetil cisteína

Apresenta grupo sulfidrila, importante na sulfatação e eliminação das toxinas fase II. N – Acetil cisteína estimula síntese de glutationa e a eliminação radicais livres.

Taurina

Ativo importante na formação dos ácidos biliares e detoxificação. É o aminoácido mais importante para remoção de substâncias químicas e metabólicos tóxicos. Muitas pessoas com alérgicas apresentam baixos níveis de taurina.

Quercetina e rutina

Reduzem a formações de EROs no fígado, aumentam os níveis de glutationa hepática, modificam a expressão de diversas isoenzimas do Citocromo P450 e protegem os hepatócitos.

Chá verde

Estimula as fases 1 e 2 aumentando em até 30 vezes o GST e acelerando a glicuronidação.

 

Referências:

(1) Clinical Nutrition: a functional approach. JFM 2004

(2) Detoxification: a clinical monograph. The institute for functional medicine, 1999

(3) Applying Functional Medicine in Clinical Practice detoxification. Medical Food Revised March 2001

(4) Spencer JPE et al. Intracellular metabolism and bioactivity of quercetin and its in vivo metabolites. Biochem J 372:173-181, 2003

(5) Mutch DM et al. Hepatic cytochrome P450 reductase-null mice show reduced transcriptional response to quercetin and reveal physiological homeostasis between jejunum and liver. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol 291:G63-G72, 2006

(6) Pradhan SC, Girish C. Hepatoprotective herbal drug, silymarin from experimental pharmacology to clinical medicine. Indian J Med Res 124:491-504, 2006

(7) Talalay P, Fahey JW. Phytochemicals from cruciferous plants protect against cancer by modulating carcinogen metabolism . J Nutr 131:3027S-3033S, 2001

(8) Detoxification and Drainage – A Theoretical and Practical Approach’ – English edition, December 2009 © 2007 by Biologische Heilmittel Heel GmbH – Baden-Baden, Germany.

(9) KALLUF, L. Fitoterapia Funcional dos princípios ativos á prescrição de fitoterápicos, 1° ed., VP consultoria, São Paulo, 2008.

(10) PASCHOAL, et al. Suplementação Funcional Magistral dos nutrientes aos compostos bioativos. , 1ªed., VP consultoria, São Paulo, 2008.

(11) PASCHOAL, V.; NAVES, A.; FONSECA, A.B.B.L. Nutrição Clinica Funcional dos Principios à Prática Clínica. 1ª Ed., São Paulo, 2007.

(12) FÜRST, P. Basics in clinical nutrition: Proteins and amino acids. e-SPEN, the European e-Journal of Clinical Nutrition and Metabolism, v. 4, n. 2, p. e62-e65, 2009.

(13) STADTMAN, E. R.; REMMEN, H. VAN; RICHARDSON, A.; WEHR, N. B.; LEVINE, R. L. Methionine oxidation and aging. Biochimica et biophysica acta, v. 1703, n. 2, p. 135-40, 2005.

(14) LEVINE, R. L.; BERLETT, B. S.; MOSKOVITZ, J.; MOSONI, L.; STADTMAN, E. R. Methionine residues may protect proteins from critical oxidative damage. Mechanisms of ageing and development, v. 107, n. 3, p. 323-32, 1999.

2 ideias sobre “Detoxificação hepática

  1. vanderleia oliveira

    gostei muito dessa matéria! mas gostaria de saber mais sou nutricionista e 70% dos meus pacientes tem Esteatose Hepática! moro no Amazonas Manaus. gostaria de saber quais frutas regionais faz a detoxificação do fígado?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>