Benefícios da abóbora para a saúde

A abóbora (curcubita) popularmente conhecida como moranga ou jerimum, pertence a família Cucurbitaceae e é nativa das Américas sendo atualmente cultivada em grande escala aqui no Brasil. Ela pode ser consumida de diversas formas e a maioria de suas partes podem ser aproveitadas, da casca às sementes. A espécie mais consumida de abóbora é a Curcubita Maxima. Ela é rica em proteínas, vitaminas antioxidantes como os carotenóides, beta-sitosterol e os tocoferóis e, pobre em calorias e gordura. Por conta de suas propriedades nutricionais ela ajuda na prevenção de diversas doenças crônicas.

abobora_moranga-nutricao-joyce-rouvier-os-beneficios-da-abobora

Suas sementes contêm todos os aminoácidos essenciais com predominância para leucina, valina e histidina. Também apresenta quantidades de gorduras insaturadas como os ácidos palmítico, esteárico, oléico e linoléico. As vitaminas antioxidantes têm como função diminuição da peroxidação lipídica e DNA oxidativo. Dietas ricas em sementes de abóbora estão sendo relacionadas com menor risco de câncer gástrico, de mama, pulmões e coloretal.

Entretanto o consumo de sementes da abóbora não deve ser demasiado, pois apresenta fatores anti nutricionais como o oxalato, fitato, nitrato, entre outros. Foi demonstrado que o seu valor nutricional melhora se elas forem assadas. Aumentando principalmente os esteróis e a vitamina E. Elas também são ricas em zinco, magnésio e cobre.

abobora_moranga-nutricao-joyce-rouvier-os-beneficios-da-abobora-sementes

A abóbora é um alimento altamente nutritivo apresentando alguns componentes nutricionais nas sementes como as proteínas, ácidos graxos e minerais como cobre, zinco e magnésio. Seu fruto também contém carotenóides, aminoácidos essenciais e minerais. As sementes e o óleo extraído delas são utilizados por suas propriedades medicinais. Por sua alta composição de ácido oléico e linoléico reduz os níveis de LDL e colesterol e aumenta os níveis de HDL o que ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares.

O seu óleo ajuda no retardo da progressão da hipertensão, artrite, redução da pressão uretral, e dos cânceres de estômago, mama, pulmões e coloretal. O beta-caroteno presente na abóbora reduz os danos à pele causados pelo sol agindo como um antiinflamatório. Além disso, o alfa-caroteno reduz o processo de envelhecimento, o risco de desenvolvimento de catarata e previne o crescimento tumoral. A vitamina E previne contra o estresse oxidativo.

Também auxilia no tratamento da hiperplasia prostática devido ao beta-sitosterol presente nela. Contém lignanas que após a sua ingestão são convertidas a enterolactona e enterodiol, os quais possuem propriedades anti cancerígenas para os tipos: mama, endométrio, colon e próstata. Em alguns estudos demonstrou atividade anti-fúngica contra a Candida albicans, por exemplo. Por conter triptofano pode auxiliar no tratamento de depressão e ansiedade. A pectina presente na abóbora tem atividade hipoglicêmica ajudando assim pacientes diabéticos.

 

Exercícios

A energia da atividade do metabolismo muscular determina o nível de fadiga fisiológica tendo o exercício de endurance como uma importante variável em avaliar um tratamento anti fadiga. É importante analisar variáveis bioquímicas como o lactato, a amônia, a glicose e a creatina quinase (CK). Após um exercício de endurance os níveis dessas variáveis aumentam.

Fatores como o consumo de ATP (energia) e deficiência energética por depleção de estoques de gordura e açúcar (glicogênio) também estão relacionados com a fadiga. Estudos com ratos relatam que o consumo de extratos do fruto da abóbora da espécie moschata aumenta, mesmo que discretamente, os estoques de glicogênio hepático melhorando o metabolismo de carboidratos sem prejudicar os tecidos musculares esqueléticos e hepáticos.

Em estudos mais recentes foi demonstrado que metabólitos secundários como o álcool dihidrodiconiferil e o gliceroglicolipídio tetrassacarídeo presentes na abóbora possuem efeitos anti lipogênicos e com atividade na diminuição da glicose. Eles afirmam que mais estudos devem ser realizados para comprovar o efeito ergogênico da abóbora.

 

Fertilidade

A infertilidade é um dos maiores problemas de saúde e aproximadamente 30% deles está relacionada aos homens. A habilidade reprodutora masculina compreende principalmente a produção de sêmen contendo espermatozóides normais e em quantidades adequadas. Fatores como tabagismo, estresse, consumo de álcool exagerado, exposição a metais pesados e doenças pode interferir nessa habilidade. O consumo inadequado de vitaminas produz efeitos indesejados na qualidade e produção do espermatozóide. Portanto, o consumo de vitaminas antioxidantes como a C e a E podem proteger o DNA do esperma contra o dano oxidativo.

abobora_moranga-nutricao-joyce-rouvier-os-beneficios-da-abobora-fertilidade

As sementes de abóbora apresentam grandes quantidades de vitamina E e outros compostos antioxidantes como o beta-sitosterol, carotenóides, tocoferóis, ômegas, zinco, luteína e selênio. Alguns estudos em ratos mostraram que as sementes de abóbora melhoraram o efeito deletério da quinina nos testículos. O zinco é um mineral importante para a função da próstata e o crescimento dos órgãos reprodutores. A sua maior concentração nos homens é encontrada no esperma. Sua deficiência provoca menor produção de espermatozóides e diminui a sua mobilidade.

Os estudos relatam que o consumo de sementes de abóbora em conjunto com a vitamina E aumentam os níveis de testosterona, FSH e LH melhorando a qualidade e quantidade do esperma. Além disso, aumentam o componente antioxidante natural e externo prevenindo contra o estresse oxidativo do DNA do espermatozóide propiciando uma melhora na função reprodutora masculina.

 

Referências:

AMIN, T.; THAKUR, M. Curcubita Mixta (pumpkin) seeds – a general overview on their health benefits. International Journal of Recent Scientific Research, v.4, n.6, p.846-854, 2013.

HASHEMI, J.M. Pumpkin seed oil and vitamin E improve reproductive function of male rats inflicted by testicular injury. World Applied Sciences Journal, v.23, n.10, p.135101359, 2013.

KIM, M.Y. et al. Comparison of the chemical compositions and nutritive values of various pumpkin (Cucurbitaceae) species and parts. Nutrition Research and Practice, v.6, n.1, p.21-27, 2012.

WANG, S-YI. et al. Pumpkin (Curcubita Moschata) fruit extract improves physical fatigue and exercise performance in mice. Molecules, v.17, p.11864-11876, 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>