Arquivos da categoria: Nutrição Esportiva

É seguro reaquecer o arroz?

3 de outubro de 2018

Existe uma crença comum de que você nunca deve reaquecer o arroz. No entanto, isso não é verdade. É possível reaquecer o arroz, mas as pessoas devem tomar precauções para garantir que seja seguro comer. O arroz é mais problemático do que outros alimentos que sobram, pois pode conter bactérias chamadas Bacillus cereus, que sobrevivem a alguns processos de cozimento. Esta bactéria é frequentemente a causa de intoxicação alimentar de arroz reaquecido ou cozido. A intoxicação alimentar geralmente causa diarreia e vômito e pode causar complicações graves em pessoas com outros problemas de saúde. Se as pessoas não seguirem as diretrizes de segurança alimentar corretamente, as bactérias podem crescer em restos de arroz e deixar as pessoas doentes. No entanto, manusear os alimentos corretamente pode prevenir doenças. Sempre lave bem as mãos antes de preparar e cozinhar os alimentos. Mantenha os utensílios que tocaram produtos de animais crus separados.

Ao cozinhar o arroz, certifique-se de que ele atinja uma temperatura alta. Sirva arroz imediatamente após o cozimento. Para reduzir ainda mais o crescimento de bactérias, resfriar rapidamente os alimentos: Dividindo os alimentos em recipientes de alimentos rasos e selando-os com uma tampa. Colocar comida quente diretamente na geladeira ou no freezer. Os risotos ou paellas congelarão melhor que o arroz comum. Não deixe o arroz ou qualquer comida quente em repouso por mais de 1 hora. Descarte as sobras da geladeira após 3 a 4 dias. Descarte as sobras do freezer após 3 a 4 meses. Deixe fora quaisquer restos mantidos à temperatura ambiente durante mais de 2 horas. Ao reaquecer o arroz, certifique-se de que esteja bem quente. Referência https://bit.ly/2O9dryQ

Benefícios da uva

26 de setembro de 2018

As uvas contêm muitas vitaminas e minerais importantes, incluindo mais de um quarto das DRIs para as vitaminas C e K. As uvas são ricas em antioxidantes, compostos vegetais benéficos que podem proteger contra condições crônicas de saúde, como diabetes, câncer e doenças cardíacas. As uvas contêm muitos compostos vegetais benéficos, como o resveratrol, que podem proteger contra vários tipos de câncer, incluindo câncer de cólon e câncer de mama. Compostos em uvas e vinho tinto podem proteger contra doenças cardíacas. As uvas podem ajudar a baixar a pressão arterial e o colesterol.

Embora as uvas tenham alto teor de açúcar, elas têm um baixo índice glicêmico. Além disso, os compostos presentes nas uvas podem proteger contra o açúcar elevado no sangue. As uvas contêm vários compostos, como o resveratrol, a luteína e a zeaxantina, que podem proteger contra doenças oculares comuns, incluindo degeneração macular relacionada à idade, catarata e glaucoma. As uvas contêm compostos que podem melhorar a memória, a atenção e o humor e podem proteger contra a doença de Alzheimer, embora sejam necessárias mais pesquisas baseadas em humanos para confirmar alguns desses benefícios.

Elas contêm muitos nutrientes importantes para a saúde dos ossos, incluindo cálcio, magnésio, fósforo e vitamina K. Estudos em ratos mostraram que as uvas podem ter efeitos protetores sobre os ossos, mas estudos humanos são necessários para confirmar esses benefícios. Elas fornecem vários compostos que demonstraram efeitos benéficos contra certas bactérias, vírus e infecções fúngicas. O resveratrol em uvas demonstrou ativar genes associados a um envelhecimento mais lento e maior tempo de vida. As uvas contêm compostos que podem ter efeitos anti-inflamatórios, que podem proteger contra certas doenças cardíacas e intestinais.  Referência Calapai, G. ET al. A Randomized, Double-Blinded, Clinical Trial on Effects of a Vitis vinifera Extract on Cognitive Function in Healthy Older Adults. Front Pharmacol. 2017 Oct 31;8:776. Pezzuto, J. M. Grapes and human health: a perspective. J Agric Food Chem. 2008 Aug 27;56(16):6777-84. Urguiaga, I. ET al. Wine grape pomace flour improves blood pressure, fasting glucose and protein damage in humans: a randomized controlled trial. Biol Res. 2015 Sep 4;48:49.

Benefícios do pólen da abelha

26 de setembro de 2018

O pólen de abelha é uma mistura de pólen de flores, néctar, enzimas, mel, cera e secreções de abelhas. As abelhas coletam o pólen das plantas e o transportam para a colméia, onde é armazenado e usado como alimento para a colônia. O pólen de abelha não deve ser confundido com outros produtos apícolas, como mel, geléia real ou favo de mel. Estes produtos podem não conter pólen ou conter outras substâncias. Recentemente, o pólen de abelha ganhou força na comunidade de saúde porque é rico em nutrientes, aminoácidos, vitaminas, lipídios e mais de 250 substâncias ativas. O pólen de abelha contém uma grande variedade de antioxidantes, que podem proteger as células de danos causados por radicais livres que estão ligados a doenças crônicas, incluindo câncer e diabetes tipo 2.

O pólen de abelha pode ajudar a reduzir os fatores de risco para doenças cardíacas, como o colesterol LDL “ruim” e a oxidação lipídica. Estudos em animais sugerem que o pólen de abelha pode aumentar a função hepática e proteger este órgão de substâncias nocivas. No entanto, mais estudos humanos de alta qualidade são necessários. De acordo com estudos em animais e em tubos de ensaio, os antioxidantes do pólen de abelha podem ter propriedades anti-inflamatórias poderosas. Estudos em animais e em tubos de ensaio mostram que os antioxidantes do pólen de abelha podem reduzir a gravidade e o aparecimento de alergias e matar várias bactérias nocivas.

O pólen de abelha tem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes que podem promover a cicatrização de feridas. Suas propriedades antimicrobianas também podem prevenir infecções de feridas. Estudos em tubo de ensaio sugerem que o pólen de abelha reduz o risco de vários tipos de câncer, embora sejam necessários mais estudos em humanos. Estudos têm mostrado que o pólen de abelha pode aliviar vários desconfortos da menopausa, incluindo ondas de calor. Pode também melhorar os níveis de colesterol. Estudos em animais mostraram que ele pode aumentar a absorção e utilização de nutrientes como ferro, cálcio e fósforo. Pode também acelerar o metabolismo e promover a longevidade, embora seja necessária pesquisa humana para confirmar esses benefícios. Suplementos de pólen de abelha são geralmente seguros para consumir. No entanto, as pessoas com alergia ao pólen ou a picadas de abelha, mulheres grávidas ou lactantes e pessoas que tomam anticoagulantes, como a varfarina, devem evitá-lo.  Referência:  Fatrcova-Sramkova, K. et al. Antioxidant and antimicrobial properties of monofloral bee pollen. J Environ Sci Health B. 2013;48(2):133-8. Kieliszek, M. ET al. Pollen and bee bread as new health-oriented products: A review. Trends in Food Science & Technology, Volume 71, January 2018, Pages 170-180.  Komossinska-Vassev, K. ET al. Bee pollen: chemical composition and therapeutic application. Evid Based Complement Alternat Med. 2015;2015:297425.

Prós e Contras Amamentação

26 de setembro de 2018

Enquanto a amamentação oferece inúmeros benefícios, também apresenta muitos desafios. Muitas mulheres acham que a amamentação é mais difícil nas primeiras semanas de vida do bebê e durante os períodos de transição, o que pode incluir o retorno ao trabalho após a licença maternidade. Com a ajuda certa, a maioria das mulheres pode amamentar com sucesso. No entanto, também existem algumas desvantagens a considerar. O leite materno é o alimento ideal para bebês. É rico em anticorpos e ácidos graxos, que apoiam o desenvolvimento de uma criança e seu sistema imunológico. Nos primeiros dias da amamentação, um recém-nascido recebe principalmente colostro, um líquido espesso e rico em anticorpos. O colostro sustenta o bebê e sustenta o sistema imunológico até que o leite materno comum se transforme. Essa capacidade do leite materno de se adaptar às necessidades do bebê oferece inúmeros benefícios à saúde. Estes incluem um risco menor de: enterocolite necrosante (NEC), uma doença estomacal potencialmente fatal que afeta principalmente bebês prematuros, infecções de ouvido, resfriados e infecções, especialmente infecções respiratórias, síndrome da morte súbita infantil (SIDS), problemas estomacais, como diarreia e vômito e eczema.

Os benefícios da amamentação vão muito além da infância. Os benefícios em longo prazo da amamentação para bebês incluem um risco reduzido de: diabetes tipo 1 e tipo 2, colesterol alto, certos tipos de câncer, incluindo leucemia infantil, doenças cardíacas e obesidade. A amamentação também pode ser benéfica para o desenvolvimento cognitivo. Além de fornecer nutrição, a amamentação pode ser uma fonte de conforto. A amamentação pode levar tempo para dominar, e pode haver barreiras extras no lugar que podem tornar difícil, perigoso ou impossível amamentar. As primeiras semanas de amamentação são frequentemente as mais difíceis. Algumas mulheres enfrentam problemas com o suprimento de leite, que pode ser muito alto ou muito baixo. Outros têm mamilos doloridos ou rachados. Algumas mulheres desenvolvem mastite, uma infecção mamária potencialmente grave. Algumas mulheres podem sentir que perderam a posse de seus corpos. Essa perda de autonomia corporal pode afetar sua autoestima, vida sexual e imagem corporal.
Referência: Binns C. et al. The Long-Term Public Health Benefits of Breastfeeding. Asian Pacific Journal of Public Health, 2016. Reszel, H. D. ET al. Does breastfeeding reduce vaccination pain in babies aged 1 to 12 months?. Cochrane, 2016.

Benefícios do Morango

14 de setembro de 2018

O morango é uma fruta vermelha de origem européia de baixo valor calórico e rico em vitaminas (C, A, E, B5 e B6), fibras, minerais (cálcio, potássio, ferro, selênio e magnésio) e flavonóides (antocianinas). O ideal é consumi-lo na sua forma natural e orgânica, ou seja, sem pesticidas. A diversidade dos componentes químicos do morango conferem o seu sabor e aroma. O consumo regular de frutas e vegetais ricos em antioxidantes e compostos bioativos exercem benefícios à saúde na prevenção de várias doenças, como as doenças de pele, diversos tipos de câncer, desordens cardiovasculares e outras doenças degenerativas relacionadas à idade. As frutas vermelhas são frutas ricas nesses compostos nutritivos, vitaminas, minerais e fibras. É rico em vitamina C e folato, e em compostos fenólicos como as antocianinas. As antocianinas conferem à ele propriedades fotoprotetoras, antioxidantes, antiinflamatórias, anticarcinogênica, anti-mutagênica e moduladora de vias enzimáticas. Estudos recentes mostram que o consumo de morangos por 2 meses reduz o dano oxidativo a nível celular, tecidual e subcelular, além de melhorar os biomarcadores antioxidantes do organismo e do perfil lipídico. Outros estudos apontam a função preventiva dos polifenóis no progresso de ulcerações gástricas, erosões e câncer. Evidências sugerem que a adição de um alimento rico em polifenóis, como o morango, na dieta melhore os fatores de risco para doenças cardiovasculares, inibindo a inflamação e a agregação plaquetária, melhorando a função endotelial, o perfil lipídico e diminuindo os radicais livres, impedindo assim a oxidação do LDL. Estudos tem demonstrado que os flavonóides presentes no morango conferem a ele grande atividade antioxidante, antiinflamatória e imunomoduladora. Essas propriedades ajudam na prevenção de doenças cutâneas, cardiovasculares, alguns tipos de câncer, obesidade, desordens gástricas, entre outras. Alguns estudos demonstram o seu benefício contra os danos provocados pela H.pilory, responsável por alguns tipos de gastrite e úlcera gástrica, diminuindo a concentração de radicais livres e inibindo a ação de citocinas pró-inflamatórias.

Você sabe o que é Yoga?

12 de setembro de 2018

Confira a entrevista que fiz com a Andrea Alves, professora e terapeuta Ayurveda, professora de Yoga e Yogaterapeuta, para tirar algumas dúvidas sobre o Yoga, sua prática e seus benefícios. 1. Qual o conceito de Yoga e sua origem? O Yoga nasceu na Índia antiga e não há uma descrição exata sobre a data de origem. A tradição acredita que os deuses (especialmente Shiva) ensinou aos antigos sábios esta prática de autoconhecimento e desenvolvimento mental. Yoga vem da raiz Yuj, que em sânscrito quer dizer Unidade. O praticante de yoga busca a integridade de corpo, mente e espírito com a consciência universal, onde não há mais limites e diferenças entre indivíduos e natureza. 2. Quais os tipos de yoga mais comuns? No ocidente a prática mais conhecida é a Hatha Yoga, ou o yoga da força, onde são praticadas posturas corporais e respirações que desenvolvem força, flexibilidade e consciência corporal. A partir desta origem, foram criadas linhas mais recentes como Ashtanga, Iyengar, Vinyasa Flow e Power Yoga. Na Índia, as práticas filosóficas e meditativas são mais comuns. 3. Existe um tipo mais adequado para cada um? Sim. O mais importante é que o aluno iniciante frequente algumas aulas diferentes até se adequar a uma prática e professor. A empatia com o professor também é muito importante, pois ajuda a desenvolver a confiança. 4. Todos podem praticar? Inclusive gestantes? Sim, porém é importante estar com a avaliação de saúde em dia, como em qualquer outra atividade física. Se o aluno fizer parte de um grupo específico como cardiopatas ou gestantes, é importante que procure uma aula voltada a essas necessidades com um professor especializado. Para a gestante, a prática de yoga ajuda muito no controle da ansiedade, desconfortos da gestação e especialmente na preparação para o parto. 5. Quais os benefícios à saúde? (transtornos como depressão, ansiedade, como ajuda?) A primeira atuação da prática de yoga é no sistema endócrino (hormonal). Ela ajuda a diminuir os hormônios do estresse como cortisol e adrenalina e a aumentar os hormônios do bem estar como serotonina e endorfina. A consciência respiratória ajuda a controla corpo e mente, combatendo a alta ansiedade e distúrbios como depressão. Além disso, as posturas atuam, além do físico, num nível energético e trazem equilíbrio e serenidade para os praticantes.