Imunonutrição

O sistema imune tem como função manter a integridade do nosso organismo defendendo-o de agentes infecciosos que existem no ambiente (bateria, fungos, vírus, parasitas e corpos estranhos) e que podem causar doenças. Toda resposta imunológica envolve o reconhecimento do antígeno e uma resposta dirigida à eliminação do mesmo. Os componentes do sistema imune são anticorpos, citocinas e leucócitos (fagócitos e linfócitos).

imunidade foto

As células do sistema imune encontram-se espalhadas pelo organismo. Na nossa corrente sanguínea, órgãos linfoides e tecidos linfoides associados ao intestino. É somente durante o primeiro ano de vida que ocorre o amadurecimento do sistema imune. A amamentação tem fundamental importância na maturação do sistema imune da criança, pois o leite materno é rico em anticorpos.

Existem dois tipos de sistema imune, o inato e o adquirido. O primeiro é a primeira forma do organismo contra agentes infecciosos e o segundo envolve o reconhecimento específico de antígenos com o patógeno invasor. O sistema imune adquirido desenvolve uma memória contra os antígenos e se este entrar novamente no organismo é eliminado mais rapidamente.

A nutrição tem papel crucial no bom funcionamento da imunidade, essa relação harmoniosa é chamada de imunonutrição. Dentre os nutrientes mais estudados na imunonutrição estão a glutamina, Omega-3, BCAA, arginina, vitaminas (C, E, complexo B) minerais como zinco, magnésio, selênio e cobre e; antioxidantes como os flavonóides e o chá verde.

foto-2-eating-healthy-650x432

Arginina: Melhora a retenção nitrogenada; Promove função e reparos intestinais; Funciona como precursor de ON; Favorece a cicatrização de feridas; Estimula a produção de hormônios endócrinos e Melhora a resposta imunológica. Tomar cuidado com a dose pois pode aumentar radicais livres. Nesse caso é melhor optar pela L-citrulina.

Glutamina: Conserva a integridade da parede intestinal e promove sua regeneração; Importante nutriente para garantir a função imune do intestino, através da produção de IgA secretora; Nutriente essencial para a proliferação de linfócitos T e B; Necessária para a atividade dos macrófagos; Precursora na síntese de glutationa, poderoso antioxidante no intestino, que minimiza a produção de radicais livres. Participa como substrato na síntese de arginina.

Zinco: Envolvido na estabilização das estruturas das proteínas e dos ácidos nucléicos, integridade de organelas subcelulares, processos de transporte, função imunológica e formação genética; Participa dos processos enzimáticos; Essencial na atividade osteoblástica, calcificação e formação das enzimas ósseas. Diminui as incidências de infecções por aumentar células T e NK e inibir TNF alfa.

Vitamina C: Envolvida na síntese de colágeno, hormônios adrenais, enzimas vasoativas e carnitina; Auxilia na cicatrização de feridas, fraturas e contusões; Produção de interferon; Atua no processo inflamatório e na integridade das mucosas.

Vitamina E: Papel antioxidante; Efeito modulador nos componentes inflamatórios; Neutraliza os metabólitos na peroxidação lipídica.

Selênio: Controla a atividade enzimática; Participa no metabolismo do hormônio tireoidiano e do metabolismo muscular; Atua como antioxidante, integrando o sistema de eliminação de radicais livres de oxigênio; Função imunológica.

Piridoxina: Importante para a imunidade celular e humoral; Mantém a integridade funcional do cérebro, já que participa de reações enzimáticas de síntese ou metabolização de neurotransmissores.

Tiamina: Vital para a integridade do sistema imune, pois sua deficiência leva a diminuição da imunidade específica e da proliferação de linfócitos, além de reduzir a hipersensibilidade cutânea tardia; Participa na transmissão de impulsos nervosos.

Ácido fólico: Sua deficiência leva a diminuição da proliferação de linfócitos T, da resposta desta célula a mitógenos e a redução na produção de anticorpos.

Ácido pantotênico: Exerce papel importante no sistema imune, pois sua privação diminui a concentração sérica de imunoglobulinas e a resposta destes anticorpos.

Riboflavina: Importante para função fagocitária e produção de anticorpos.

Biotina: Interfere na função imunológica humoral e celular; Na sua deficiência, observa-se diminuição do peso do timo, diminuição das respostas de anticorpos específicos e da atividade supressora mediada pelos linfócitos.

Cobre: Sua deficiência pode diminuir a proliferação da células T e aumentar o número.

Omega-3: exerce um efeito modulatorio sobre as citocinas e eicosanoides; dimininui citocinas inflamatórias, possui efeitos tróficos na mucosa intestinal.

Magnesio: cofator de diversas funções enzimáticas, sua deficiência leva a um aumento da adesão plaquetaria e de citocinas pro inflmamatórias.

Flavonóides: inibem certos estágios da inflamação, modulam a atividade enzimática, melhoram a resposta imunológica à infecções.

Dente de leão: aumenta a resposta imune mediada, humoral e imunidade não especifica, atua na produção de oxido nítrico.

Associações:
Omega 3, dente de leão, equinacea, tinturas de própolis, guaco e eucalipto.

Referências Bibliográficas:

  1. DUARTE A.C. Semiologia Imunológica Nutricional. Ed. Axcel Books, 2003.
  2. BRUNETTO M.A et al. Imunonutrição: o papel da dieta no reestabelecimento das defesas naturais. Acta Scientiae Veterinariae. 35(Supl 2): s230-s232, 2007.
  3. ERICKSON K.L; MEDINA E.A; HUBBARD N.E. Micronutrients and innate immunity. J Infect Dis, 182, Suppl 1: S5-10, 2000.
  4. EFRON D.T; BARBUL A. Role of arginine in immunonutrition: a reevaluation. Nutrition, 16 (1): 73-4, 2000.
  5. FONSECA, F.C.P,; COSTA, C.L. Influencia da nutrição sobre o sistema imune intestinal. CERES; 2010; 5(3); 163-174
  6. KALLUF, L. Fitoterapia Funcional. VP 1ed, 2008.
  7. MACEDO, E.M.C et AL. Efeitos da deficiência de cobre, zinco e magnésio sobre o sistema imune de crianças com desnutrição grave. Rev Paul Pediatr 2010;28(3):329-36.
  8. PASCHOAL, V.; NAVES, A.; FONSECA, A.B.B.L. Nutrição Clinica Funcional. VP 1ed, 2007.
  9. PERINI, J.A. de Lima. Acidos graxos poli insaturados n-3 e n-6: metabolismo em mamíferos e resposta imune. Rev. Nutr., Campinas, 23(6):1075-1086, nov./dez., 2010.
  10. VIZOTTO, M et AL. Alimentos funcionais: conceitos básicos. Empraba, RS, 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>